Quem sou eu

Minha foto
Beijar-te-ei meu anoitecer amargo; enquanto bailarmos o instante. Jogados ao chão da rua como se nada nos fixasse ao mundo. Você continuará a mexer em meus cabelos, quase conseguindo alcançar minha alma com as mãos. Sua barba por fazer fará cócegas em meus dedos, que vibraram ao mínimo contato com a tua pele fugaz. Um abraço, um beijo no canto do lábio, e um eu te amo em silêncio.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Última gota da chuva- a menor


Já foi...
era engano outra vez, só pra fazer graça de seus sentimentos infantis.

Orvalhos aos cacos, cinza, quinta, medo, dor.
 __ Gota não sente, sua boba! – faziam-na chorar. CHORAR!

Em banhos se iam algumas, Mały nunca conseguia se agarrar a nada.
Tão fraquinha, tão pequena!

Leis estéries matavam sua liberdade
será que não sabiam que fim de chuva não tem cheiro?

Yhwh jogu-lhe do céu, se enraivou com seu gosto amargo.
Caiu na boca banquela de uma menina amarela.


Foi quase uma droga de tão doce!

Mały: Pequena em polonês.
Yhwh: Essa seria a tradução aproximada do Nome de Deus, entregue a Moisés no monte Sinai, em hebraico.